Logotipo da entidade

Consultas Boa Vista SCPC

Confiança de consumidor segue em 41,9 pontos

As consequências da crise econômica e as incertezas do processo eleitoral sobre as medidas que o novo presidente deverá adotar para retomar o crescimento da economia, trouxe reflexos para o comportamento do consumidor brasileiros e também dos itaquaquecetubences.

Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostram que o Indicador de Confiança do Consumidor não apresentou evolução na passagem de agosto para setembro, período marcado pela campanha política no rádio e na TV. O índice ficou em apenas 41,9 pontos em setembro contra 42,4 pontos em agosto. A escala do indicador varia de zero a 100, sendo que quanto maiores os números, mais confiantes estão os consumidores.

“Apesar dessa incerteza entre as pessoas, os índices ainda são positivos no comércio, porque não apresentou queda no consumo. É importante ver que o índice de compras dos itaquaquecetubenses se manteve, mesmo em meio a essa crise econômica”, avaliou o presidente da Associação Comercial e Industrial de Itaquaquecetuba (Acidi), Luciano Dávila. “Acredito que podemos ser surpreendidos, positivamente, nos próximos meses, quando os trabalhadores recebem o 13º e vão às compras de Natal”.

O Indicador de Confiança é composto por dois componentes: o Subindicador de Percepção do Cenário Atual - que ficou em apenas 29,6 pontos – e o Subindicador de Expectativas, que alcançou 54,2 pontos.

De acordo com o levantamento, 82% dos brasileiros avaliam de forma negativa as condições da economia no atual momento, percentual que não apresentou alteração frente ao mesmo mês do ano passado, quando estava em 81% do total de entrevistados. Para 14%, o desempenho é regular e para apenas 2% o cenário é positivo. Entre aqueles que avaliam o clima econômico como ruim, os principais sintomas são o desemprego elevado (68%), o aumento dos preços (61%) - apesar da inflação controlada-, as altas taxas de juros (38%) e o aumento do dólar (29%).